Artigo | Internet Of Medical Things (IoMT): Conectividade sem fio na Saúde

*Por Carlos Campos

De acordo com a pesquisa State of IoT – Spring 2024, a IoT (Internet das Coisas) é uma das três principais prioridades tecnológicas das empresas atualmente. Isso porque muitas delas já entenderam os diversos benefícios e possibilidades oferecidos pela tecnologia, como monitoramento em tempo real de operações e informações, melhora na tomada de decisões com dados precisos e atualizados, e otimização de recursos.

Mas há ainda muito espaço para seu desenvolvimento, principalmente quando observamos o mercado de saúde brasileiro. Segundo dados da RBC Capital Markets, 30% das informações geradas globalmente são provenientes da área da saúde, com previsão de aumento anual de 36% até 2025. O setor de IoMT (Internet das Coisas Médicas) deve registrar um crescimento de mais de 23% até 2028.

Visto que somente 23% dos profissionais da área realizavam algum tipo de monitoramento remoto dos pacientes em 2022, segundo informações do Congresso Brasileiro de Informática em Saúde, fica claro o potencial de evolução e uso da tecnologia por aqui.

A IoMT está transformando a saúde ao integrar dispositivos médicos e aplicativos que se conectam às redes. Toda essa conectividade sem fio permite avanços no monitoramento de pacientes, diagnósticos e tratamentos, e melhora na eficiência e qualidade do atendimento prestado. Ou seja, ela está possibilitando uma visão mais ampla e completa da saúde do paciente tanto para os médicos quanto para eles mesmos.

Um dos principais benefícios da IoMT é o acompanhamento remoto por meio de dispositivos como monitores de frequência cardíaca, medidores de glicose, relógios inteligentes e sensores de pressão arterial, que podem enviar dados automaticamente para os profissionais de saúde. Dessa forma, é possível ter um acompanhamento contínuo de condições crônicas e até detecção precoce de doenças, evitando complicações e hospitalizações desnecessárias.

Essa tecnologia também está revolucionando a gestão dos hospitais e laboratórios, permitindo o monitoramento dos equipamentos, estoque de medicamentos e localização de pacientes e funcionários. Com isso, há aumento da eficiência operacional, redução de desperdícios e melhora na gestão de recursos.

A conectividade celular IoT também facilita a integração de dados relacionados à saúde de diferentes fontes, o que permite aos médicos ter uma visão mais holística da condição geral dos pacientes. Isso também pode ajudar a identificar padrões e tendências que alimentam as pesquisas médicas e o desenvolvimento de novos tratamentos.

Superados os desafios relacionados à segurança e privacidade dos dados coletados – obstáculos que, vale destacar, acompanham o desenvolvimento e popularização da maior parte das novas tecnologias hoje em dia e devem ser encarados com seriedade – acredito que a IoMT irá transformar o setor significativamente, impulsionando sua eficiência e garantindo que os cuidados sejam personalizados e verdadeiramente centrados no paciente.

*Carlos Campos é vice-presidente de vendas para a América Latina da emnify no Brasil, provedora líder de conectividade celular IoT no mundo e referência global em tecnologia e inovação para telecomunicações

Próximo Post

Healthcare Management – Edição 92

Healthcare - Edição 92

Healthcare - Edição 92

COLUNISTAS